Viveiro de Mudas - Arvores Nativas e Arvores Frutiferas

Vendemos Jabuticabeiras em Vasos
Nossa Jabuticabeiras são produzidas em nosso
Viveiro de Mudas Floresta em Tupã - São Paulo
Endereço:
Estrada Parnaso São Martinho-Tupã-Sp

Viveiro de Mudas - Arvores Nativas e Arvores Frutiferas

Nossa Jabuticabeiras são produzidas em nosso
Viveiro de Mudas Floresta em Tupã - São Paulo

Enviamos Jabuticabeiras para qualquer local do Brasil

Fone : 014 3441 3501

florestamudas@gmail.com

sexta-feira, 31 de maio de 2013

Ditado: Se é do Brasil e não é jabuticaba, não presta

Por: Manuela Musitano

Com este ditado, o povo brasileiro homenageia a fruta característica de sua terra. É isso mesmo, a jabuticaba é uma fruta originária do Brasil, nativa da Mata Atlântica. Por isso, é mais fácil encontrá-la nos estados do sudeste e em outros que também apresentem esse bioma. Outros países da América do Sul também cultivam a jabuticaba, como Argentina e Uruguai, mas de nascença mesmo, ela é brasileira. Mas vamos combinar que fácil mesmo de encontrar a jabuticaba é dentro da barriga da gente...

Jabuticaba com a casca rompida e a polpa pra fora
Jabuticaba com a casca rompida e a polpa pra fora

Muito docinha quando madura, a jabuticaba tem em seu interior uma polpa branca, que contrasta com sua casca arroxeada. Diferente das frutas que estamos acostumados a ver crescer e se pendurar em cachos, o fruto da jabuticaba cresce preso no tronco e nos galhos da árvore. Com isso, colhê-la acaba se tornando difícil, o que eleva o preço da jabuticaba quando comercializada. Mas provavelmente, o maior prazer de se comer jabuticaba é tirá-la do pé na hora da degustação. Não é difícil viajar para um sítio ou um hotel fazenda que tenha um pé de jabuticaba para apreciação do visitante. Ainda mais porque uma das safras da jabuticaba, período em que a planta dá frutos, é junto com as férias escolares, nos meses de janeiro e fevereiro.
Apesar de um tempo de colheita curto, de agosto a setembro e de janeiro a fevereiro, a quantidade produzida por um único pé é muito grande, o que pôde gerar a comercialização de produtos manufaturados a partir do fruto da jabuticaba. Já se pode comprar vinhos, sucos, licores, geleias e até vinagre de jabuticaba. Estudada por especialistas, descobriu-se que a jabuticaba é rica em ferro, cuja deficiência no organismo pode levar à anemia. A jabuticabeira é uma árvore de grande longevidade, que demora para dar seus primeiros frutos, mas a partir da primeira safra, quanto mais velha a árvore, melhores e em maior quantidade são os frutos.

Fruto preso ao tronco
Fruto preso ao tronco
Às vezes dá tanta jabuticaba, que o pé não tem espaço suficiente para elas se alastrarem pelo tronco e galhos, então elas possivelmente cobrirão até as raízes ocasionalmente descobertas. Uma jabuticabeira é capaz de dar até uma tonelada de frutos por ano. Ela existe em diferentes variedades, mas a mais conhecida e que possui o fruto mais doce, é a Myrciaria cauliflora, popularmente conhecida como Jabuticaba-Sabará, relativa à cidade de Sabará em Minas Gerais, Brasil. 

Aliás, Sabará abriga anualmente o Festival da Jabuticaba, entre o final de outubro e início de novembro. Nele, é possível encontrar diversos produtos preparados com a frutinha, como vinhos, licores, geleias, doces, sorvetes, etc. Mas a grande atração do festival é o aluguel de jabuticabeiras. Isso mesmo, o visitante aluga, por um período de tempo, uma jabuticabeira do quintal de um morador e pode comer até cansar.
Você pode plantar o seu próprio pé de jabuticaba com umas das poucas sementes que vêm envoltas na polpa, mas lembre-se de que a melhor época para o plantio é durante as chuvas e em terrenos que fiquem em até 600 m de altitude.
Além dos frutos, a jabuticabeira fornece uma madeira muito resistente, utilizada até como vigas, e as flores servem de alimento para as abelhas produzirem mel. Para o uso medicinal, a jabuticaba é indicada para conter diarreias e disenterias. Recentemente, descobriu-se que a jabuticaba tem outros valores medicinais, como proteger as artérias do coração. Além do ferro e de outras substâncias em menor quantidade, foi encontrada na composição da casca da jabuticaba, grandes quantidades de antocianinas, elementos também encontrados na uva escura e, consequentemente, no vinho tinto, que trabalham a favor do coração.
A floração marca o início do nascimento dos frutos
A floração marca o início do nascimento dos frutos

Para outro ditado, outra explicação. Se nossos avós diziam que jabuticaba se chupa no pé, é porque existe uma razão para isso. Como a fruta possui grande porção de açúcar nela, o fruto colhido começa a fermentar no mesmo dia. Por isso, o certo seria comê-la assim, fresquinha, aproveitando também sua sombra e seus galhos para descansar. Mas para quem não tem esse privilégio, o aconselhado seria guardá-la dentro de um saco plástico, dentro da geladeira, para tentar retardar ao máximo a sua fermentação.
A jabuticaba faz muito sucesso entre a criançada, devido ao seu sabor extremamente adocicado e sua árvore possuir muitos galhos e crescer no máximo até 10 m. Quem não gosta muito é mãe de comedor de jabuticaba, já que o suco que sai da casca tinge a mão de quem pega na fruta e, consequentemente, mancha com muita facilidade as roupas. E mancha de jabuticaba dificilmente sai na primeira lavagem. Portanto, comedores oficiais de jabuticaba, separem uma roupa velha para quando forem subir no pé, antes de se lambuzarem com esta delícia.

Fonte de imagens: http://www.flickr.com/photos/autopack/1813128907/, http://www.flickr.com/photos/dusokei/641265174/, http://www.flickr.com/photos/maybe-nextlifetime/2233099949/
Consultor: Miguel de Oliveira - Biólogo/ Museu da Vida (Fiocruz)

segunda-feira, 27 de maio de 2013

Jabuticaba é pouco calórica e rica em fibras, vitaminas e sais minerais

Jabuticaba é pouco calórica e rica em fibras, vitaminas e sais minerais

Por Patrícia Giuffrida postado em 19/10/2011 às 11h00


Crédito: Getty Images.
Você já reparou que as gôndolas dos supermercados e as feiras estão cheias de jabuticabas? Estamos na safra dessa frutinha, que é 100% brasileira! É possível encontrá-la de norte a sul, desde o Pará até o Rio Grande do Sul.
A jabuticaba não é tão calórica quanto parece, apesar do seu gosto bem docinho. Cerca de 100 g têm somente 51 calorias. Além disso, essa delícia é rica em nutrientes. A polpa, por exemplo, tem ferro, fósforo, vitamina C e boas doses de niacina, uma vitamina do complexo B que facilita a digestão e ainda nos ajuda a eliminar toxinas.
A casca também é muito nutritiva! Ela contém pectina – uma fibra que ajuda a combater o colesterol. Também é cheia de porções de antocianinas, “substâncias que têm uma potente ação antioxidante“, diz Daniela Brotto Terci , pesquisadora da Unicamp, em Campinas (SP), em entrevista à revista SAÚDE!. Ou seja, uma vez em circulação no corpo, essas substâncias ajudam a varrer as moléculas instáveis de radicais livres e evitar várias doenças.
Mas é tão difícil comer a casca. O que fazer? Você pode batê-la no preparo de sucos. Mas atenção! Procure tomá-lo assim que ficar pronto. Luz e oxigênio reagem com as moléculas protetoras, por isso, o líquido pode ficar com cor e sabor alterados.
A fruta também deve ser consumida logo, pois ela se modifica assim que é arrancada da árvore. Como ela tem muito açúcar, a fermentação acontece no mesmo dia da colheita. O que fazer para preservá-la? A dica é guardá-la em saco plástico e na geladeira. Ou então você pode congelá-la. Há ainda uma opção bem bacana: que tal cultivar uma jabuticabeira no quintal da sua casa?
Quer uma receitinha bem gostosa com essa fruta? Experimente o pudim de ricota com jabuticaba do MdeMulher. Você e sua família vão adorar!
(Com reportagem de Regina Pereira para a revista SAÚDE!)

Fonte:http://mdemulher.abril.com.br/blogs/dieta-nunca-mais/2011/10/jabuticaba-pouco-calorica-rica-fibras-vitaminas-minerais/

sábado, 25 de maio de 2013

Jabuticaba Sabará(Características)



A Jabuticabeira é de lento crescimento, atingindo no máximo de 6 a 8 metros quando cultivada e 10 a 15 metros quando a planta é nativa. O tronco é liso com casca que se rompe em placas uma ou duas vezes por ano após a frutificação; tem do Diâmetro médio de 20 a 30 cm quando cultivada e de 40 a 50 cm quando a planta é nativa. A copa é densa e ramificam-se desde a base quando cultivada, mas na floresta a copa se tem formato de taça e só se forma sobre fuste (tronco) reto de 5 a 6 metros altura. Os ramos novos têm cor creme esverdeada e são glabros (sem pêlos).
As folhas são simples, sob pecíolo de 1,5 a 2 mm de cumprimento, a lâmina foliar tem textura cartácea (de cartolina) e mede de 2,5 cm de cumprimento, por 1,4 a 2,2 cm de largura. A base é obtusa ou subrredondadas e ápice agudo e venoso (com nervuras secundárias e visíveis).
Têm coloração avermelhada ao brotarem, tornando verde escuro na face superior, com duas nervuras marginais e de cor verde claro na face inferior com nervura central saliente e superfície glabra( sem pêlos).


Fonte: Colecionando Frutas/Helton Josué Teodoro Muniz

sexta-feira, 24 de maio de 2013

Jabuticabeira: característica do fruto, mercado, solo e plantio, propagação.

 CARACTERÍSTICAS DO FRUTO



O peso do fruto final é de cerca de 5 g. Os crescimentos em diâmetro e altura acompanham o do peso. A curva de crescimento da casca é menos intensa do que a do fruto.

O comportamento reprodutivo da jabuticabeira, avaliado em ramos marcados, e ocorrência de flores e frutos, mostrou que quanto mais grosso o ramo, maior a ocorrência de flores e frutos por metro.

Entre 8 clones quanto à qualidade do fruto os clones Açu e Sabará Sul de Minas deram as maiores massas do fruto. O rendimento da polpa foi maior para Sabará Sul de Minas e Açu do Horto de BH tinham maior firmeza. O que apresentou maior teor de sólidos solúveis totais (17,6º Brix) foi o clone Canaã Açu.

O número de embriões após a germinação, confirmam os dados de 40 a 60%, sendo as jabuticabeiras de média poliembrionia, enquanto os jambo e os jambolão variam de 5% a 96%. O número de sementes pode variar de 1 a 5, os seus cotilédones são avermelhados e o seu comprimento varia de 2 a 12 mm.

O fruto amadurece em cerca de 3 semanas após o florescimento e até 5 colheitas podem ser feitas por ano, em condições ideais de clima e cultivo. 

MERCADO

http://www.todafruta.com.br/todafruta/imgsis/1151.GIFApesar de ainda ser considerada uma fruta de pomares domésticos, a jabuticaba vem sendo comercializada. Na Ceagesp são comercializadas caixas de 24 kg, de 2 kg e de 8 kg, estas mais adequadas. Em outros mercados também a jabuticaba é comercializada, bem como nas cidades do interior de São Paulo, Minas Gerais e Paraná, principalmente.

 Há uma concentração de oferta da jabuticaba nos meses de agosto a outubro, com 98% do total comercializado no ano.


            PLANTIO E FORMAÇÃO DO POMAR
A jabuticabeira é muito sensível ao transplantio, devendo as mudas ser arrancadas com torrão intacto. Dias nublados são mais indicados para o transplantio. O local do plantio deve ser preparado com aração e gradagens.

Para o preparo da cova o tamanho de 60x60x60 cm é satisfatório, incorporando-se 15 kg de esterco curtido e 200 g de superfosfato por cova. Faz-se o plantio 10 cm acima do nível do solo, e reúne-se a terra superficial, formando uma bacia que atinge o nível do torrão. Regras logo após são necessárias e imprescindíveis até o pegamento.

Podem-se fazer culturas consorciadas nos primeiros anos, de preferência com leguminosas de pequeno porte, como feijão, amendoim e soja, deixando-se espaço livre ao lado das jabuticabeiras.

O espaçamento adequado para a Sabará seria entre 6 a 7 m na linha e 8 a 10 m na entrelinha, admitindo-se o plantio em quadrado ou em retângulo, mais usuais. 
PROPAGAÇÃO
http://www.todafruta.com.br/todafruta/imgsis/1149.GIFA jabuticabeira pode ser propagada por sementes, mergulhia, estaquia e enxertia.

A garfagem no topo em jabuticabeira, pode resultar em bom pegamento, entretanto, a demora no seu crescimento, leva ao início de produção no pomar só após o 3º ano de plantio. Estas mudas são de custo alto e a sua produção deve ser bem cuidada, principalmente quanto às regas, pois pode ocorrer alta mortalidade em caso de falta de água.

A propagação vegetativa foi estudada, através de vários métodos, tais como: fenda, alporquia e estaquia. Fenda cheia foi superior à fenda parcial e lateral e também à borbulhia, que foi a pior. A fenda cheia deu de 60 a 90% de pegamento, dependendo da época. A estaquia não deu resultados, mesmo utilizando reguladores vegetais, como auxinas e também anelamento. A estaquia de ramos maduros deu de 10 a 15% de enraizamento, após 10-12 meses em substrato de areia, sob nebulização. Trabalhando com estacas terminais com folhas, o pegamento foi de mais de 60%, entre junho e setembro, em câmara de polietileno, com 50-50% de turfa - areia. O enraizamento iniciou-se após 4-5 meses, mas cada estaca tinha somente 2 raízes, ambas emergindo na base da estaca. O melhor tamanho de estaca foi de 10-12 cm, terminais e com folhas recém amadurecidas. Para cada estaca eram deixados 3 a 4 pares de folhas, no ápice. O melhor preparo da estaca foi com corte logo abaixo de uma gema fazendo após, 4 cortes de 2 cm na estaca e tratando a gema de enraizamento com 1.000 ppm de IBA. O efeito da época foi muito forte, pois de junho a setembro foi muito melhor que outubro. 
CLIMA E SOLO

A jabuticabeira, apesar de subtropical por sua origem, se adapta também ao clima tropical e tolera geada de curta duração.

No Brasil esta frutífera se distribui do norte do estado do Rio Grande do Sul até a região central. Planta subtropical necessita de temperaturas baixas durante o inverno para florescer; no clima quente do norte e nordeste brasileiros, ocorrem temperaturas altas no verão e no inverno e a jabuticabeira não frutifica economicamente.

Poucas são as informações sobre solos e requerimentos nutricionais da jabuticabeira. A jabuticabeira vegeta bem em solos muito diversos, preferindo os sílico - argilosos e argilo - silicosos, profundos, férteis e bem drenados. Desenvolve-se bem em solos ricos, com bom suprimento de água durante o ano todo.
http://www.todafruta.com.br/portal/subMenu.asp?tituloMenu=Jabuticaba&idMenu=204

quarta-feira, 22 de maio de 2013

Limpeza de jabuticabeira

Várias plantinhas parecidas com bromélias vivem há uma década como parasitas na jabuticabeira de mais de 30 anos da minha avó. Como é possível impedir que elas continuem se espalhando, pois estão secando os galhos da árvore?

por Mateus Di Lello Dallacqia, São Manuel (SP)

Editora Globo
Uma das maneiras de controlar a presença das bromélias nos ramos da jabuticabeira é por meio da execução de uma poda de limpeza. Retire primeiro os ramos secos da planta e, em seguida, aqueles que se atritam e os que estão em excesso, além dos que aparecem mal posicionados no interior da copa. Posteriormente, elimine manualmente as plantas que se desenvolvem na jabuticabeira. A limpeza também contribui para o controle de pragas e doenças que causam danos à fruteira, pois permite o arejamento e a insolação interna da copa. Depois de realizar a poda, recomenda-se proteger os ferimentos causados durante o procedimento. Isso pode ser feito pincelando uma camada de tinta látex sobre as áreas danificadas.

CONSULTORES: JOSÉ EMÍLIO BETTIOL NETO e DIEGO XAVIER, pesquisador e técnico de apoio à pesquisa do IAC-APTA – Centro de Fruticultura do Instituto Agronômico de Campinas, da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, tel. (11) 4582-7284, bettiolneto@iac.sp.gov.br 
Fonte:http://revistagloborural.globo.com/Revista/Common/0,,EMI292967-18289,00-LIMPEZA+DE+JABUTICABEIRA.html

segunda-feira, 20 de maio de 2013

Consultório agrícola: estouros da jabuticabas

Frutas nascem e se desenvolvem, mas quando estão amadurecendo secam e caem do pé

por João Mathias
Editora Globo
Embora as jabuticabas nasçam sadias e apresentem bom desenvolvimento, quando estão amadurecendo as cascas se rasgam, o fruto seca no próprio pé e, em seguida, cai. Como é possível recuperar a jabuticabeira, pois já perdi uma florada?
Fabio Ferreira Jardim
Araraquara, SP

Conhecido como estresse hídrico na literatura científica, irrigações descompensadas podem ser a causa da rachadura das jabuticabas. Por vários dias a planta recebe muita água, mas depois passa por uma época prolongada de seca seguida, então, por períodos chuvosos ou, novamente, por irrigações. Deficiência nutricional e ataques por insetos também são fatores que podem facilitar o rompimento das cascas. A visita de um profissional para analisar a jabuticabeira de perto é a recomendação para obter um diagnóstico mais preciso e o tratamento mais adequado.
Consultor: Diego Xavier, técnico de apoio à pesquisa do IAC (Instituto Agronômico de Campinas), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo.

Fonte:http://revistagloborural.globo.com/Revista/Common/0,,EMI313547-18532,00-CONSULTORIO+AGRICOLA+ESTOUROS+DA+JABUTICABAS.html

domingo, 19 de maio de 2013

Jabuticabeira do Site Terra da Gente


Jabuticaba

>
                       <div id=
Nome Científico: Myrciaria cauliflora
Família: Myrtaceae
Características Morfológicas: Árvore frutífera, altura entre 10 a 15 metros, com tronco liso de 30/40 cm de diâmetro. As flores e frutos nascem no caule. Florada (branca) de junho a agosto.
Origem: Brasil.
Ocorrência Natural: Mata Atlântica, principalmente da mata pluvial e das submatas de altitude. Hoje cultivada em Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, São Paulo até o Rio Grande do Sul).
A jabuticabeira tem frutos pequenos, de casca negra e polpa branca aderida à única semente, crescem no tronco e ramos, dando uma característica peculiar à árvore.

A temporada da frutinha no pé começa a partir de setembro. Ela é consumida in natura, mas tem os subprodutos. E, por isso, a jabuticabeira é muito cultivada em pomares domésticos. Floresce duas vezes por ano.

A frutinha é utilizada para vários fins, além de culinários, o fruto tem propriedades medicinais. Entre eles, é mencionada a decocção da casca, como remédio para a asma.

Por sua semelhança à uva, muitos produtos, como o vinho, suco, geléia, licor e vinagre podem ser feitos com a jabuticaba. Somado ao consumo humano,a jabuticaba é uma atrativo para avifauna.

Muito apreciada por aves, capivaras, porcos-do-mato, cutias, macacos, micos e quatis. A florada é um banquete para os insetos. E a festa da bicharada na hora dos frutos pode ser a explicação para o ocorrência de jabuticabeiras em grupos concentrados, dentro da mata. Um fenômeno também atribuído, por alguns especialistas, ao manejo indígena.

Saiba mais:

"Árvores Brasileiras", de Harri Lorenzi

Leia nossa reportagem publicada na edição 29 da revista Terra da Gente, em setembro de 2006.

sábado, 18 de maio de 2013

Dicas para cultivo de jabuticaba - Jabuticabeira (Myrcia cauliflora)

Jabuticabeira (Myrcia cauliflora)

Dicas para cultivo de jabuticaba

A jabuticabeira é uma planta de clima tropical e subtropical úmido.
Vejam os principais procedimentos usados para um bom cultivo de jabuticabas:

Clima e solo ideal para as jabuticabeiras:


A quantidade de chuvas ideal é de 1.000mm./anos bem distribuída.
Em regiões secas o cultivo da jabuticabeira requer irrigação adequada.
O ideal, é uma umidade relativa do ar entre 75 a 80%.
Muita luz.
Sensível a ventos, deve se usar quebra-ventos conforme a necessidade.
A jabuticabeira é sensível ao transplante.
A planta stressada leva algum tempo para recuperar-se após a retirada do local e o transplante para outro.
O solo ideal é o silico-argiloso.
Devem ser profundos, bem drenados, férteis, ricos em matéria orgânica, com boa umidade na época da floração/frutificação.
O pH deve estar em torno de 6,5 a 7,0.
Os terrenos devem ter altitude inferiores a 600 m.
Para a produção comercial recomendamos o contato com um engenheiro agrônomo da região.
Este conhece bem o solo e poderá mandar fazer uma análise dos teores de nutrientes e pH do terreno e recomendar uma adubação e correção do solo adequada.

Adubação da jabuticabeira

Adubação de plantio por cova por muda: 20 litros de estrume de curral ou composto, misturado com aproximadamente 200 gramas de sulfato de amônio, 200 gramas de farinha de ossos, 100 gramas de superfosfato e 100 gramas de cloreto de potássio.
O plantio deve ser feito na época das chuvas.
A planta reaje bem para adubações orgânicas, o recomendado é para a jabuticabeira adulta:
estrume de gado ou de aves, bem curtido,10 a 20 litros; farelo de algodão; farelo de mamona ou farinha de sangue, 3 a 6Kg; farinha de ossos, 1 a 3Kg.

Dicas Gerais:


Enquanto as mudas estão pequenas, realizar tratos culturais de limpeza de inços e consorciação com leguminosas de pequeno porte, como feijão, soja, amendoim.
O crescimento é lento quando a muda é de pé franco, isto é, a partir de semente.
Por isto se usam bastante as mudas por estaquia e alporque.


Fonte:http://www.fazfacil.com.br/jardim/jabuticabeira/2/

domingo, 12 de maio de 2013

Jabuticabeira Materia ateliergourmand

Nome Científico:
Myrciaria cauliflora (DC.) O. Berg, Plinia trunciflora (O. Berg) Kausel, Eugenia cauliflora DC.

Nomes Populares:
Jabuticaba-paulista, jabuticaba-ponhema, jabuticaba-açu, jaboticaba

Características
Substantivo
feminino

Elenco
Frutas

Reino
Plantae

Família
Myrtaceae


Gênero
Plinia


Valores nutricionais
Valores nutricionais por 100 g da fruta


Calorias 53
Água 87 g
Proteína 0,3 g
Carboidrato 13 g
Cálcio 8 mg
Ferro 0,9 mg
Potássio 130 mg
Vitamina A –

Vitamina B1 0,04 mg
Vitamina B2 0,09 mg
Vitamina C 18 mg
Niacina B3 1 mg
Gordura 0,1 g
Fósforo 35 mg

Fonte: Instituto Plantarum
Ocorrência espacial
Ocorrência espacial e características gerais

De origem desconhecida, a jabuticaba é uma fruta nativa do Brasil e amplamente cultivada desde a colonização, principalmente na região Sudeste. Ocorre em Minas Gerais, Espírito Santo, Rio de Janeiro, São Paulo, Goiás e Paraná.
A jabuticabeira é árvore semidecídua (que perde parte da folhagem) com altura entre 3 e 6 m. Seu tronco apresenta casca lisa e manchada, com flores aglomeradas em seu entorno durante a primavera e o verão que resultam em frutos fartamente distribuídos.
As folhas, desprovida de pelos ou penugem, medem de 3 a 7 cm, com nervura impressa na face superior e saliente na inferior. Os frutos são globosos e lustrosos, com polpa branca e suculenta, geralmente doce, protegendo de 1 a 4 sementes. Seu período de safra é de agosto a dezembro.
As variedades mais comuns são:
• Sabará – a mais apreciada, mais doce e mais cultivada. Tem crescimento mediano apesar de muito produtiva e frutos miúdos e saborosos, de maturação precoce;
• Paulista – de frutos maiores que a Sabará, altamente produtiva e com maturação retardada;
• Rajada – de pele verde-bronzeada e árvores de porte mediano, tem boa produtividade, dá frutos grandes, doces e saborosos;
• Branca – de porte médio e grande produção, dá frutos de coloração verde-clara, bastante saborosos;
• Ponhema – árvore de porte e frutos grandes, mais saborosos quando consumidos bem maduros, é mais indicada para a produção de doces, geleias e licores.
De seus usos e derivados
De acordo com a variedade, a jabuticaba é mais consumida in natura ou na feitura de geleias, sucos, doces e molhos para pratos salgados. Dela também se produz xarope e licor; sua casca pode ser utilizada como corante para vinagres e vinhos, além de servir ao preparo de compotas.

Ao comprar jabuticabas, deve-se dar preferência às graúdas, sem rachaduras ou picadas de insetos. Antes de consumi-las aconselha-se lavá-las bem em água corrente. Não devem ser lavadas se não forem ser consumidas imediatamente, pois é fruta muito sensível e azeda facilmente.
Em geladeira, conserva-se bem por 2 a 3 dias.
História, cultura e mitos
A cidade de Sabará (MG) abriga anualmente o Festival da Jabuticaba, entre o final de outubro e o início de novembro. Nele, é possível encontrar diversos produtos preparados com a fruta, como vinhos, licores, geleias, doces, sorvetes etc. Porém, a grande atração do festival é o aluguel de jabuticabeiras: o visitante aluga por um período de tempo uma jabuticabeira do quintal de um morador e pode comer à vontade.
Há relatos de curiosidades culinárias como a de acrescentar caldo de jabuticaba à massa de milho verde para confeccionar pamonhas, rechear frango assado com farofa doce de jabuticaba ou assar o peixe em creme de jabuticaba.
Segundo Câmara Cascudo,

Descreveram-na Fernão Cardim, Piso e Marcgrave. Espantava-os as frutas cobrirem os troncos, subindo pelos galhos, numa exuberância inesgotável. Encanto para capitães-mores e cronistas. Assombro dos trópicos. Para o caipira de São Paulo, quando se diz fuita é uma referência à jabuticaba. “É considerada uma das melhores frutas do país”, escrevia Von Martius. Fruta de época, então abundante e fácil, é popularíssima.
Curiosidades
• Adicionar gotas de limão ao suco de jabuticaba torna-o avermelhado; bater a polpa e a casca com abacaxi torna o suco azulado.

• Pode-se fazer também da jabuticaba uma jeropiga, isto é, uma espécie de vinho que não fermenta ou cuja fermentação natural é interrompida pelo acréscimo de álcool.

• Para aumentar a durabilidade da jabuticaba e recuperar sua textura firme, pode-se colocá-la de molho em água com gelo por 2 a 4 horas, o suficiente para reidratá-la. Se ficar de molho por mais tempo, ela irá estourar e deverá ser descartada. Esse processo pode ser feito de 1 a 2 vezes por dia, normalmente antes de servi-la.

• Dentre os principais benefícios da jabuticaba ao organismo humano estão a capacidade de combater os radicais livres graças à alta concentração de antocianina; já a pectina da casca auxilia na motilidade intestinal e ajuda a diminuir os níveis de colesterol.

• Segundo informações da Embrapa, o chá de casca de jabuticaba é usado no tratamento de anginas, disenteria e erisipela; a infusão da entrecasca da fruta destina-se ao tratamento de asma.
Referências Bibliográficas
CASCUDO, L. C. História da alimentação no Brasil. São Paulo: Global, 2004. 3ªed.
HOUAISS, Antônio e VILLAR, Mauro de Salles. Dicionário eletrônico Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro, Objetiva, 2007.
LORENZI, Harri et al. Frutas brasileiras e exóticas cultivadas: de consumo in natura. São Paulo: Instituto Plantarum, 2006.

Sites:
Embrapa Rondônia, disponível em: http://www.cpafro.embrapa.br/embrapa/Artigos/uso_medic.htm
Jabuticabeira.com.br, disponível em: http://www.jabuticabeira.com.br

Fonte:
http://www.ateliergourmand.com.br/br/ingredientes.aspx?ukey=39

sexta-feira, 10 de maio de 2013

Como plantar e cultivar uma jabuticabeira no quintal




A leitora quer ter uma jabuticabeira no quintal. Os paisagistas ensinam como plantá-la e cultivá-la em espaços pequenos. 






Marco Antonio

secoes-cc-outubro-02
No jardim assinado pela paisagista Maricy Pissinatti,
 a jabuticabeira foi plantada diretamente no solo.

O primeiro passo é escolher a muda certa. Atualmente, usa-se muito a jabuticabeira híbrida (Myrciaria cauliflora) enxertada.
 A vantagem dessa espécie é que ela atinge um porte médio e dá frutos rapidamente. Como você diz ter um quintal pequeno, é possível, inclusive, cultivá-la em vaso. Assim o enraizamento será limitado e a copa não ficará tão frondosa, evitando as podas constantes. Se optar por plantá-la no solo, lembre que terá que controlar seu crescimento ao aparar os galhos cerca de 30 dias depois do fim da colheita. De modo geral, é preciso fazer uma cova com diâmetro 20 cm maior que o do torrão. Caso vá plantar a frutífera em vaso, o raciocínio é semelhante: escolha uma muda que tenha um torrão 20 cm menor que o diâmetro do recipiente. Em ambos os casos, cubra o torrão com terra adubada e aerada. Regue logo após o plantio para o solo assentar. Coloque adubo orgânico a cada seis meses. A planta precisa receber muito sol direto e ser regada com frequência para que dê frutos em abundância e se desenvolva bem.

Consultoras: paisagistas Paula Galbi, tel. (11) 2228-6339, e Roberto Riscala, tel. (11) 3044-4049, São Paulo.
Dúvidas sobre decoração? Mande sua pergunta para casaclaudia.abril@atleitor.com.br
Fonte:
http://casa.abril.com.br/materia/jabuticabeira-no-quintal

quinta-feira, 9 de maio de 2013

Curiosidades sobre a Jabuticabeira e a Jabuticaba

Em condições climáticas normais, o período entre a floração e a maturação da fruta compreende cerca de quarenta dias
Depois de madura, sua durabilidade não vai além de cinco a sete dias.
A jabuticaba, ao contrário de outras frutas, depende mais de chuva de que do sol. A chuva se torna prejudicial somente nos dois ou três depois de abertas as flores, período em que ocorre a polinização. Para a polinização é imprescindível a contribuição das abelhas. A jabuticabeira tem uma copa arredondada e totalmente fechada pelas folhas, que são miúdas. Ao se abrirem as flores, as folhas caem e, assim, espaço é aberto para a aproximação das abelhas. Findo o período da polinização toda a árvore se refolha.
Pode-se chupar de cinco litros ou mais de jabuticaba e ficar plenamente satisfeito, mas uma hora depois, outro tanto é plenamente consumido pela mesma pessoa.
Pessoas com tendência a prisão de ventre devem ter certo cuidado ao chupar jabuticabas. Quem engole os caroços (sementes) crê que o ressecamento intestinal é causado por eles, mas, nas verdade, deve-se o "entupimimento" ao fato de o suco da fruta funcionar como secante. Portanto, o desconforto não é provocado pelos caroços. Estes apenas agravam a situação. O ideal é ingerir fibras. Aos que têm o problema, aconselha-se mastigar e engolir algumas cascas da própria jabuticaba e não engolir caroços.
Em tempo de jabuticaba, mulheres se postam nas esquinas de Ouro Preto com os respectivos balaios cheios das "pretinhas". É um dinheirinho extra que ganham, na venda da fruta aos turistas. As frutas são colhidas pela madrugada e levadas para Ouro Preto no bagageiro de ônibus. Toda a produção se localiza nos distritos. Nos quintais da sede do município, a jabuticaba é fruta rara.
Em Cachoeira do Campo, a venda fica por conta de adolescentes postados junto aos vários "quebra-molas existentes no trecho urbano da "Rodovia dos Inconfidentes". Os politicamente corretos compram a fruta nos quintais produtores, outros as furtam descaradamente para vender
Como o processo de deterioração da fruta se processo muito rápido, a melhor maneira de consumi-la é diretamente na jabuticabeira. Para isso, é melhor vestir uma roupa velha e subir na árvore sem preocupação com a sujeira. As frutas crescem em meio às milhões de flores secas, que formam uma grande massa marron. Quando o tempo está chuvoso, o incômodo se torna maior, mas, em compensação é quando a jabuticaba está melhor. Quem escala um jabuticabeira, para colher jabuticabas, tem que se integrar com a árvore, sentir-se quase um galho dela.
Só assim, pode-se melhor sentir o prazer de destacar a fruta e levá-la diretamente à boca, mesmo que contenha algum cisco. Assim como as frutas são vendidas para os atravessadores que as apanham para vender nas ruas, há proprietários que as vendem para os que se dispõem a saboreá-las diretamente no pé. Combina-se o preço e o comprador se farta da fruta, sem direito de carregar para fora dali. Consome-se o que aguenta e pronto. Quem não se dispõe ao incômodo de subir na árvore, sujar-se, arranhar-se e correr o risco de uma queda, não tem o direito da escolha das maiores, das mais doces, das mais brilhantes, etc.
A jabuticaba é muito frágil, mas a jabuticabeira é justamente o contrário. Sua robustez impressiona. Entretanto, ao escalar uma há que se ter o cuidado de verificar o galho em que se firma. Estando verde, um ramo da grossura de um dedo resiste se utilizado como apoio em sua junção com o tronco ou galho maior. Entretanto, se estiver seco, ali estará o perigo, não importando a grossura do galho. Antes de se firmar com os pés ou as mãos, é indispensável saber se está seco ou verde. E é fácil a identificação. Se tiver folhas nas extremidades, está verde. Se não as tiver, procure outro ponto onde pisar, porque o chão o espera.
Finda a curta temporada da jabuticaba, a jabuticabeira deixa de chamar a atenção e assim deve permanecer por um ano, mas algum tempo depois ela renova toda sua casca. Do tronco até às pontas dos ramos, a casca se solta em pedaços, para que outra tome o lugar. Nesse fenômeno reside curiosa defesa da árvore. A chamada "erva de passarinho", praga que abafa qualquer árvore maior, não tem vez com a jabuticabeira. A erva se estende sobre sua copa, mas na troca da casca, perde sustentação e morre. Talvez seja a única árvore que não se deixa dominar pela "erva de passarinho".
Entre as aves há uma espécie que também aprecia a jabuticaba, tanto quanto nós humanos. É a maritaca (maitaca ou maracanã em outras regiões), que a esta época sobrevoam Cachoeira do Campo em grandes bandos barulhentos à procura da fruta. O curioso é que, enquanto ocupadas com as frutas, elas permanecem em silêncio total, como se por medo de serem descobertas. Só se escuta o barulho das cascas caindo no chão. Ao se verem descobertas alçam vôo na maior algazarra. Ainda bem que elas não descem muito pela árvore. Limitam-se à copa. Se descessem, talvez não sobrasse muita coisa para nós outros.
A Festa da Jabuticaba, promoção anual do Lions Clube de Cachoeira do Campo, que tem acontecido, às vezes, depois que elas se foram, será realizada mais cedo neste ano. O evento está marcado para os dias 10, 11, 12 e 13 de outubro. Possivelmente alguma jabuticaba haverá, pois algumas jabuticabeiras se adiantam na produção. Entretanto,, o forte da safra mesmo deverá ser no fim de outubro, a partir do dia 26.



quarta-feira, 8 de maio de 2013

Jabuticabeira Segundo Enciclopédia



A jabuticabeira, mirtácea, espontânea em grande parte do Brasil, mais comum em Minas Gerais,
 Espirito Santo, Rio de Janeiro, São Paulo e Paraná, encontradiça noutras, como Bahia,
Pernambuco, Paraíba, Pará, Ceará, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Goiás e
 Mato Grosso, a jabuticabeira, a magnífica jabuticabeira é uma árvore de tamanho
médio, porte piramidal, belíssima. Folhas opostas, lanceoladas, vermelhas quando
novas. Flores brancas e sésseis.
Frutifica fartamente, pois se cobrem de frutos o tronco, os galhos não raro até as raízes
 descobertas.
A jabuticaba, fruta brasileira por excelência, é uma baga redonda ou arredondada,
 em regra roxo - escura, com polpa esbranquiçada doce, saborosíssima, envolvendo
 1 a 4 sementes. Também há jabuticabas "listradas de roxo ou vermelho, quase negro,
 com listras roxas ou vermelhas ".
E as há também verde-claras e verde-bronzeadas.
Variedades:A fitografia da
 jabuticabeira, produtora de uma das melhores frutas do mundo, ainda está um
tanto confusa. Barbosa Rodrigues, por exemplo, cita duas espécies de
 Myrciaria: Myrciaria jaboticaba, com frutos pequenos de pedúnculo escuro e
Myrciaria cauliflora, com frutos grandes e sésseis.
Há quem encontre três espécies: Myrciaria cauliflora, Myrciaria trunciflora e
Myrciaria jaboticaba.De todas as variedades anteriores a mais aceita é a
Myrciaria cauliflora e todas sua espécies, tais como:

Jabuticaba Sabará: A mais apreciada e doce das jabuticabas e a mais intensamente plantada.
É de crescimento médio mas muito produtiva. Frutos miúdos, de epicarpo fino,
 muito saborosos. Maturação precoce. Jabuticaba Paulista: De maior porte do
que a anterior e de grande produção. Fruto grande e coriáceo. A maturação é um tanto
 tardia. Jabuticaba Rajada: Assemelha-se as anteriores em crescimento e produção.
 Os frutos são grandes, muito doces e muito saborosos.
A pele é verde bronzeada. Maturação mediana. Jabuticabeira Branca: Porte médio.
Produz, fartamente, frutas grandes e deliciosas. São verde-claras.
Jabuticabeira Ponhema: É uma árvore de grande porte e extraordinária produção.
 O fruto é grande e de pele um tanto coriácea. Deve ser consumida quando bem madura.
 É a variedade mais apropriada a fabricação de geléias, doces e licores.

Prepara-se a terra do futuro pomar com cuidados de praxe. Ara-se e gradeia-se.
Faz-se uma adubação verde, se possível. Abrem-se covas de 50cm nos três sentidos,
 com o compasso de 6 x 6 a 10 x 10 metros, conforme a variedade a plantar,
o clima e a fertilidade do solo. Na cova colocar-se-ão uns 20 litros de estrume
de curral ou composto, misturado com aproximadamente 200 gramas de
nitro-cálcio ou sulfato de amônio, 200 gramas de farinha de ossos,
100 gramas de superfosfato e 100 gramas de cloreto de potássio.
 Fazem-se as carpas indispensáveis, de preferência com o cultivador ou a grade de discos.
 Nos primeiros anos, podem fazer-se culturas consorciadas, de preferência leguminosas e
de pequeno porte, deixando-se sempre um grande espaço livre em torno de
 cada jabuticabeira. Prefiram-se o feijão, o amendoim a soja como culturas consorciadas.

Adubação: Reage muito bem ao adubos, principalmente aos adubos orgânicos.
Seria aconselhável a seguinte adubação para a jabuticabeira adulta: estrume de gado
ou de aves, bem curtido,10 a 20 litros; farelo de algodão; farelo de mamona ou farinha
de sangue, 3 a 6Kg; farinha de ossos, 1 a 3Kg.

Pragas e moléstias: É atacada pelos insetos e fungos.
O grande inimigo da jabuticabeira é o pulgão ceroso Capulina jaboticabae, Ih.
Os ramos atacados serão raspados e pincelados com calda sulfo-cálcica ou algo equivalente.

Colheita: A jabuticabeira infelizmente cresce vagarosamente e custa a produzir.
Mas a produção é vultosa nas jabuticabeiras grandes e bem adubadas.
Raul de Faria diz ter visto jabuticabeiras enormes que produziam, em Petrópolis
(RJ) e Sabará (MG), 100 caixas de 40 litros cada uma! E não tinham sido adubadas.
Fonte:
http://www.agrov.com/vegetais/frutas/index.htm

terça-feira, 7 de maio de 2013

Casca de jabuticaba pode reduzir dois tipos de câncer, diz pesquisa- Jornal Nacioanl


Edição do dia 01/04/2013
01/04/2013 21h28 - Atualizado em 01/04/2013 21h28

 

Dez unidades consumidas por dia, com casca, seriam suficientes para auxiliar na prevenção de doenças. Isso, claro, associado a estilo de vida saudável.


Pesquisadores da Universidade Estadual de Campinas descobriram que a casca de jabuticaba pode reduzir dois tipos de câncer e ainda prevenir diabetes.
Uma fruta com sabor de infância. E uma série de benefícios para a saúde. “A jabuticaba possui compostos fenólicos que ajudam a prevenir o envelhecimento precoce, combater os radicais livres, possui vitamina C e do complexo B alem de possuir fibras que ajudam o colesterol sanguíneo”, explica Mário Roberto Maróstica, pesquisador da Unicamp.
O departamento de Engenharia de Alimentos da Unicamp faz há cinco anos o mais completo estudo sobre a fruta, e descobriu que as melhores propriedades estão na casca. Transformada em pó e depois em um extrato, foi testada em células humanas com algum tipo de câncer.
“Nós observamos uma redução de 50% no crescimento de células de leucemia e células de câncer de próstata”, afirma o pesquisador.
A multiplicação das células cancerígenas foi reduzida, justamente porque a fruta é rica em compostos fenólicos. Os mais potentes são as antocianinas e os taninos, que dão a cor escura à jabuticaba e combatem o envelhecimento precoce das células.
Outra parte da pesquisa envolveu ratos obesos, onde a farinha da casca de jabuticaba virou ração. Os resultados mostraram que o consumo diário pode ter efeito na prevenção de doenças como o diabetes tipo dois.

“A casca de jabuticaba oferecida durante 30 dias aos animais provou ser eficaz na redução de 10% de glicemia e na redução do colesterol sanguíneo”, destaca Mário Roberto Maróstica.
As descobertas ganharam repercussão internacional com as publicações em duas das revistas científicas mais respeitadas do mundo, no British Journal of Nutrition e o canadense Food Reserch Internacional.
Os pesquisadores elaboraram uma receita de saúde. Dez unidades de jabuticaba consumidas por dia, com a casca, seriam suficientes para auxiliar na prevenção de doenças. Isso, é claro, associado a um estilo de vida saudável, com boa alimentação e exercícios. Jabuticaba sozinha não faz milagres
.
Fonte:http://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2013/04/casca-de-jabuticaba-pode-reduzir-dois-tipos-de-cancer-diz-pesquisa.html